| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Stop wasting time looking for files and revisions! Dokkio, a new product from the PBworks team, integrates and organizes your Drive, Dropbox, Box, Slack and Gmail files. Sign up for free.

View
 

stress

Page history last edited by PBworks 13 years, 6 months ago

__STRESS: O QUE É?__

A cada um de nós impinge um ritmo diverso à vida. Algumas vezes estamos mais "elétricos", outras mais lentos. No entanto, temos um ritmo próprio, adaptável às diversas situações de vida, mais flexível ou não, dependendo de como somos. A atenção a este ritmo próprio e pessoal é uma das variáveis que nos permite estar bem ou não conosco mesmos. O processo de saúde ou doença que criamos depende diretamente de como nos relacionamos com nosso próprio ritmo e também do respeito a ele.

 

Quando falamos de ritmo, indiretamente nos referimos ao processo de stress. Este processo tão comum em nossa sociedade é inevitável. Na Idade da Pedra, também era muito comum, pois o homem naquele período também tinha que assegurar a sua sobrevivência. Atualmente a nossa sobrevivência também é uma luta diária e constante. As manchetes dos jornais, o cotidiano sobrecarregado de problemas e decisões nos leva ao universo do stress.

O stress é uma reação do organismo a estímulos externos ou internos, relacionados a necessidade de luta ou fuga. No entanto há o stress positivo e o stress negativo. Quando positivo, o stress nos impulsiona a realizar e a concretizar coisas e nos possibilita um nível adequado de adrenalina. Ele é necessário à concretização, pois está associado diretamente ao impulso para buscar a realização de algo. Quando negativo gera um nível excessivo de adrenalina que ocasiona um colapso em nível corporal, físico ou emocional, atuando de modo a desequilibrar todo o nosso funcionamento.

 

 

O "STRESS" é o resultado de uma reação que o nosso organismo tem quando estimulado por fatores externos desfavoráveis. A primeira coisa que acontece com o nosso organismo nestas circunstâncias é uma descarga de adrenalina no nosso organismo, e os órgãos que mais sentem são o aparelho circulatório e o respiratório.

 

Nas últimas décadas, cada vez mais pessoas sofrem de stress. As mudanças bruscas no estilo de vida e a exposição a um ambiente cada vez mais complicado levam-nos a sentir um determinado tipo de angústia. Sentimo-nos desprotegidos e envolvidos em situações traumatizantes; os nossos mecanismos de defesa passam a não responder de uma forma eficaz, aumentando assim a possibilidade de vir a sofrer de doenças, especialmente do foro cardiovascular.

O stress provoca um desequilíbrio entre o corpo e a mente, afetando os mecanismos de defesa. Os sintomas manifestam-se com a combinação de vários fatores. Para os médicos, o stress é o causador de muitas doenças; contribui também para complicar ou atrasar a recuperação de uma doença prolongada ou aumentar o seu período incapacitante. O stress pode originar perturbações mentais, erupções da pele, alterações do aparelho digestivo, alteração de certas glândulas internas (tiróide), perturbações menstruais, impotência, desinteresse pela atividade sexual, entre outras.

 

É necessário algum stress à vida, mas demasiado pode resultar numa vasta gama de problemas e perturbações. Felizmente, existem sinais de aviso que lhe podem dizer quando algo está mal. Pessoas diferentes experimentam sensações diferentes em relação a uma determinada situação e isso depende de vários fatores, como: personalidade, hormônios ou até do tipo de dia que está a ter. Por vezes, a mesma situação pode causar sentimentos de stress num dia e no dia seguinte não. Os sintomas do stress dividem-se em cinco categorias diferentes: físicos, emocionais, mentais, espirituais e sociais e estão, muitas, interligados.

No mundo atual, a maior parte das pessoas tem de lidar com o ruído, a poluição, o trânsito o outros marcos do progresso. Felizmente, minimizar os efeitos desses fatores de stress sobre o corpo não é tão difícil como se possa pensar. Uma alimentação mais cuidada, um aumento de aptidão física e um melhor meio ambiente podem fazer maravilhas para reduzir os efeitos prejudiciais de excesso de stress; é preciso aprender formas novas de relaxar para limitar o stress a um nível mínimo. O objetivo desse comentário sobre o stress é mostrar a relação dele com a depressão, porque o stress quando não tratado adequadamente pode levar a uma depressão profunda. Ambos caminham juntos, um leva ao outro. Teremos, no decorrer do projeto, páginas exclusivas sobre o stress; cabe a mim, enfocar mais diretamente a depressão.

Assim como o stress, a ansiedade também caminha junto com a depressão. A ansiedade pode levar ao stress e este à depressão. Ansiedade também é um assunto que será abordado no trabalho.

Mas, antes de mais nada, visite a página:

http://saude.terra.com.br/qualidadevida/estresse/ e faça um teste para avaliar em que fase está seu stress. Isto é importante para ficar atenta(o) a possíveis crises que poderão vir a desencadear uma grande depressão.

 

O aparecimento do stress pode estar relacionado a situações reais ou imaginárias, e suas principais causas podem ser:

 

  • Excesso de atividade/ má distribuição do tempo.
  • Acúmulo de raiva e sentimentos negativos.
  • Problemas de relacionamento.
  • Descontrole diante de situações críticas.
  • Preocupação excessiva.
  • Falta de descanso e lazer.
  • Dificuldade de lidar com as perdas.

 

FASES DA EVOLUÇÃO

 

 

Fase de alerta: ocorre quando existe reação a uma ação externa. Nesta fase podem surgir problemas fisiológicos como taquicardia (batimento mais rápido e forte do coração), respiração acelerada e suor frio.

 

Fase de resistência: é a luta do organismo contra a fase de alerta. O indivíduo pode controlar-se (neste caso o stress passa despercebido) ou continuar estressado. Normalmente nessa fase o corpo responde com mudanças de comportamento, insônia e descontentamento.

 

Fase de exaustão: persistindo a situação de stress, é possível surgir uma série de doenças crônicas. Neste último estágio podem aparecer problemas emocionais, hipertensão, úlceras, gastrites, fadiga crónica, diabetes, alterações no sono, dentre outras manifestações.

 

PREVENÇÃO

 

É importante tentar evitar o stress. Se isto não for possível é necessário interromper sua seqüência mudando alguns de seus hábitos.

 

MUDE SEU ESTILO DE VIDA

 

  • Alimente-se de maneira saudável e em períodos regulares.
  • Reavalie suas atividades e modo de pensar.
  • Não faça uso de tranqüilizantes sem orientação médica.
  • Evite o fumo, café e bebidas alcoólicas.
  • Mantenha, pelo menos, uma atividade física periódica, com orientação médica.
  • Administre seu tempo realizando uma atividade por vez.
  • Programe e tire férias anuais.
  • Crie e mantenha atividades de lazer.
  • Durma o suficiente para o seu descanso.
  • Resolva os problemas de forma racional, encarando-os positivamente.
  • Delegue atividades e aprenda a trabalhar em grupo.
  • Procure ser mais compreensivo e menos exigente.
  • Mantenha a mente alerta e o corpo relaxado.
  • Desenvolva um bom relacionamento interpessoal.
  • Procure conhecer seu organismo e respeite-o, não ultrapassando seus limites.
  • Busque sua paz interior.
  • Melhore a qualidade de sua vida.

 

E AINDA, SE FOR NECESSÁRIO

 

  • Procure diferentes tipos de aconselhamento. Consulte especialistas: médicos, psicólogos, terapeutas ou inscreva-se em grupos de apoio.

 

 

 

voltar ao início da página

 

próxima página

 

Depressão -voltar

 

página inicial

 

Voltar ao Índice - Estresse

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.